83. Quem escreveu?

Um amigo enviou-me este texto, porque sabia do meu interesse sobre o tema.

O desafio desta publicação é o de identificar a pessoa que recolheu criticamente esta informação mas não quis ser identificado 🙂

Grande parte do mundo quer saber quem é o Satoshi Nakamoto. Eu gostava mesmo de saber quem escreveu este texto. Alguém me ajuda ou se identifica?

A alma é imortal ou não?
Desde os tempos antigos, a filosofia, a ciência e a religião tentaram, de uma forma ou de outra, encontrar uma resposta. No entanto, a questão continua a provocar teorias, algumas delas, como a que vamos detalhar, formuladas por cientistas.
Photo by RF._.studio on Pexels.com

O que é a alma?

Para começar, vamos tentar entender o que se entende por alma. A palavra alma vem do latim ‘anima’, ligado ao grego ‘anemos’ que significa “respiração” ou “vento”.

Alma ou consciência

Nos tempos mais modernos, a alma é entendida como a parte do eu pensante (como a mente ou a consciência), e é um dos maiores mistérios dos vários ramos da ciência. Há alguns anos, porém, nasceu uma nova teoria para esclarecer a questão, apoiada nas teses de dois físicos.

A teoria ‘Orch-OR’

A teoria que tenta estudar a consciência e, portanto, a alma, chama-se ‘Orch- OR’ (ORCHestrated Objective Reduction). Foi concebida na década de 1990 pelos físicos Roger Penrose (foto) e Stuart Hameroff. Baseia-se na ideia de que a consciência se origina dentro dos neurônios e não da interação entre os neurônios.

Um ganhador do Nobel que procurou a consciência em nosso cérebro

Antes de nos aprofundarmos nessa história fascinante que pode revelar algo mais sobre a nossa alma, lembremos que Roger Penrose é um ilustre matemático, físico e cosmólogo que, em 2020, recebeu o Prêmio Nobel de Física. Trata-se de um grande cientista, não de um místico ou de um charlatão.

Prêmio Nobel de Física em 2020

Penrose recebeu uma das maiores honras esperadas na ciência por seu trabalho sobre buracos negros. De fato, entre suas contribuições está a descoberta de que a formação deles está relacionada à teoria da relatividade geral de Einstein.

Amigo de Stephen Hawking

Roger Penrose também colaborou durante muito tempo, em Cambridge, com outro grande físico (que nos deixou há alguns anos): Stephen Hawking. Com ele desenvolveu algumas teorias sobre buracos negros e singularidade gravitacional.

Stuart Hameroff

Outro autor da teoria que busca decifrar o que é a alma e se ela é imortal, chama-se Stuart Hameroff, professor anestesista da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.

Uma teoria para verificar

Deve-se notar que a ‘Orque-OR’, no momento, é apenas uma teoria, mas tem sido considerada experimental e, portanto, há projetos em andamento para verificar sua veracidade.

O que a teoria ‘Orch-OR’ suporta

Por trás da teoria ‘Orch-OR’ elaborada por Penrose e Hameroff está a ideia de que o cérebro pode não ser controlado por algoritmos, então suas propriedades físicas não poderiam ser explicadas pela matemática tradicional, mas pelos princípios da física quântica.

Uma abordagem quântica

Os dois autores da teoria combinaram seus conhecimentos: por um lado temos Hameroff que quer investigar o componente biológico da consciência. Segundo o médico, os microtúbulos, células localizadas dentro do cérebro, representam a principal estrutura da consciência. Por outro lado, temos o físico Penrose, que acrescenta a abordagem quântica.

A consciência é uma onda vibrante

De acordo com a teoria ‘Orch-OR’, a consciência é uma onda vibrando no universo de partículas subatômicas (física quântica é física de partículas) e os microtúbulos atuam como verdadeiros computadores quânticos que transformam essas vibrações em informações utilizáveis.

O cérebro como um computador quântico

Um computador quântico funciona de maneira diferente a de um computador normal. Este processa informações na forma de bits (zero ou um) enquanto o quântico processa qbit (ou bit quântico), que pode ser zero e um ao mesmo tempo, produzindo uma superposição quântica, paradoxo de difícil resolução e, sobretudo, muito difícil de entender para não especialistas.

Interpretação de muitos mundos de Everett

Mas como pode haver “superposição de estados” ou coisas que são e não são ao mesmo tempo? Estaríamos falando, de certa forma, da existência de “universos paralelos”. Se uma pessoa escolhe comer uma maçã e não uma pera, segundo alguns físicos teóricos, no momento da escolha, a outra continua existindo, separadamente em outro mundo. Esta é a denominada Interpretação dos Muitos Mundos, de Everett.

A teoria Orch-OR não acredita em universos paralelos sem fim

De acordo com a teoria ‘Orch-OR’, por outro lado, a escolha não é feita, então a opção da pera é separada, mas é uma situação instável e, portanto, colapsa, desaparece depois de um tempo. Portanto, temos duas conclusões: de acordo com os defensores da interpretação dos muitos mundos de Everett, existem muitos outros universos, mas apenas em um há consciência (no mundo em que estamos conscientes) e é um fato completamente coincidente . Considerando que, de acordo com Penrose e Hameroff, como as realidades alternativas colapsam porque são instáveis, nós somos a única realidade.

Uma nova maneira de entender o cérebro

Esse raciocínio quântico transita para o cérebro onde a consciência era antes vista como o conjunto de interconexões de neurônios que funcionam como um computador normal, mas, segundo Hameroff, “considerar a célula cerebral, o neurônio, como um interruptor que desliga ou liga é um insulto ao próprio neurônio”.

O que acontece dentro do neurônio?

Hameroff diz: “Basta olhar para uma célula tão básica quanto o paramécio, que encontra comida, acasala e pode aprender. Se um paramécio simples atinge tal grau de inteligência, um neurônio pode ser tão estúpido? Ligado ou desligado? Acho que esses cientistas não consideram o que está acontecendo dentro do neurônio.”

Então a alma é imortal?

E aqui chegamos a uma questão importante: a alma, e portanto a consciência, pode ser imortal neste contexto? A teoria ‘Orch-OR’ tem uma resposta.

informações são mantidas

De acordo com a teoria ‘Orch-OR’, os microtúbulos em estado de quase morte perdem seu estado quântico, mas retêm as informações que contêm. Segundo Hameroff, com a morte, “o coração para de bater, o sangue não flui, os microtúbulos perdem seu estado quântico. A informação quântica dentro dos microtúbulos não é destruída, não pode ser destruída, apenas é distribuída e dissipada no universo em geral.”

Uma teoria fascinante, mas não verificada

Assim, Roger Penrose (na imagem) e Stuart Hameroff apontam em sua complexa análise da consciência a possibilidade de que a alma permaneça além da morte de cada indivíduo. E que essa informação está, talvez, em algum lugar desconhecido, em alguma área inexplorada. Ciência, misticismo ou poesia? De tudo um pouco.

Publicado por Ricardo A.

Business Performance and Sports Analytics

%d bloggers like this: